Eventos /  Apresentação artística la la-ticket green  /  Música

Show Robson Santos: “Pleiópolis, um CD gravado na pandemia" - Memorial Vale

Descrição

O Memorial Vale traz nesta semana, de 11 a 20 de novembro, atrações que celebram o dia e o mês da Consciência Negra. Saraus literários e musicais também são destaque.

As apresentações continuam online, seguindo o planejamento do #MemorialValeEmCasa, feitas pelo Youtube e disponíveis nas redes sociais do espaço (facebook e instagram) e também no site.

19/11 – PLEIÓPOLIS, UM CD GRAVADO NA PANDEMIA, POR ROBSON SANTOS

No dia 19 de novembro, quinta-feira, às 18h30, o cantor Robson Santos apresenta “Pleiópolis, um CD gravado na pandemia". São composições que se uniram a arranjos, instrumentos, vozes e muita tecnologia. Neste período de isolamento social, Robson Santos contou com a companhia do violão, seu grande amigo e conselheiro.

Entre uma dedilhada e outra, surgiram novas letras. De sua casa, em Nova Lima/MG, se conectou com vários músicos, alguns antigos parceiros, outros novos. Entre boas conversas com os amigos por aplicativos, surgiram os arranjos.

Os da guitarra vieram dos EUA, assinados por Guilherme Fonseca. Outros levam o nome de Adriano Campagnani, Deângelo Silva, Juarez Moreira, Christiano Caldas, Lincoln Cheib, Luísa Mitre, entre outros, e foram concebidos em BH. O resultado é o novo trabalho do compositor, que marca o início das comemorações de 40 anos de música.

A apresentação integra o projeto “Gerais Cultura de Minas”, do Memorial Vale. Robson Santos tem mais de 160 composições que vão do rock ao baião, passando pelas baladas, samba, jazz e bossa nova. Foi um dos primeiros artistas independentes do mercado brasileiro, ou seja, nunca houve vínculo com gravadoras.

“Gosto de me sentir à vontade, de misturar os estilos e de formar as parcerias de acordo com o que vou “costurando” com minhas vivências e anseios”, define. Nascido no Rio de Janeiro, Robson já residiu em várias cidades brasileiras e também no exterior (Cleveland_OH), mas criou raízes na capital mineira.

O cientista-músico começou a compor aos 12 anos de idade.

As diversas influências culturais que ele teve podem explicar, em parte, a variedade de gêneros de suas canções.

Localização
Informações
Data
Entrada
Gratuito