Eventos /  Espetáculo la la-ticket green  /  Artes Cênicas

Estreia: “Death Lay – na vida tem jeito pra tudo” - CCBB BH

Descrição

No dia 14 de abril, quinta, estreia “Death Lay – na vida tem jeito pra tudo”, novo trabalho do Grupo Oriundo de Teatro.

Em cena, a atriz Anna Campos reflete, a partir de relato autobiográfico, sobre o direito de viver e de morrer com dignidade no Brasil. A temporada de estreia segue até 24 de abril, sempre de quinta a domingo, às 20h, no Teatro II do Centro Cultural Branco do Brasil (CCBBBH).

Aos sábados, 16 e 23 de abril, as sessões são seguidas de bate-papo e com tradução em Libras. Os ingressos custam R$30 e R$15 (meia) e podem ser adquiridos na Bilheteria do Teatro ou online pelo site www.bb.com.br/cultura Há 10 anos, Valéria Vieira, mãe da atriz Anna Campos, foi atropelada, aos 65 anos, quando ia para sua festa de aniversário e, desde então, se encontra em estado vegetativo permanente, sendo alimentada por uma sonda gastrointestinal.

“Para os médicos, é um corpo vivo, que tem dor, mas que não tem consciência, ou se tem, que não se sabe em qual nível de consciência está”, explica Anna Campos. Desde então, Anna não entrava em um processo criativo teatral e nem podia estar em turnês do grupo, para cuidar da mãe e dos filhos - que na época ainda eram pequenos.

Agora, em 2022, a atriz retorna aos palcos com seu primeiro trabalho solo. “Existe a dificuldade de falar sobre o tema com ética e, também, não quero dar uma opinião conclusiva. Falo do meu ponto de vista sobre a convivência com minha mãe, sobre questões legais, sentimentais e religiosas.

Em cena, pergunto: vocês enxergam essas pessoas? A religião enxerga? O Estado? Existe um tabu muito grande em se falar sobre o assunto e um abandono ainda maior do poder público. As pessoas não têm a real dimensão do que é estar ao lado de alguém em estado vegetativo permanente, que vai passar o resto da vida sob sua responsabilidade”, reflete.

Em “Death Lay - na vida tem jeito pra tudo”, Anna Campos enquanto Anna busca um ‘death lay’ perfeito, sua mãe é uma presença ausente. Na trama, Anna divide a cena com um mastro de pole dance e com uma boneca - criada pelo artista plástico Eduardo Félix do Pigmalião Escultura que Mexe, e que traz, em tamanho real, as feições da mãe da atriz.

Duas mulheres em suspensão entre a consciência e a inconsciência, entre a realidade e a ficção. A vida e a morte. Mãe e filha unidas e separadas pelo estado vegetativo de uma delas. “Death Lay significa morte no leito e é um movimento do pole dance, de alta complexidade. Você se mantém presa no topo do mastro, somente pela força da coxa.

É perigoso e arriscado, exige muita força para manter o tronco ereto e não cair”, explica a atriz que há 11 anos pratica o esporte. O espetáculo lança mão, ainda, de “documentos-memórias” – áudios, fotos, vídeos e objetos pessoais – além de recursos do metateatro, que fundem tempos e espaços. “Tudo foi feito com muito cuidado. A situação envolve pontos que a sociedade brasileira parece não querer discutir”, explica o diretor Antonio Hildebrando.

Ele conta que, para chegar à cena, foram muitas conversas, pesquisas sobre o tema, seleção de imagens, documentos e objetos pessoais de Anna e de sua mãe. “Muito choro e, também, algumas gargalhadas como quando ‘conhecemos’ a Dra.

Aurora de Glasgow, personagem que certamente surpreenderá os espectadores”, garante o diretor que ainda assina a dramaturgia do espetáculo. Anna Campos conclui que “o direito de morrer é um assunto que tem que entrar em pauta. Todos nós vamos morrer e a gente não sabe como vai ser esse processo.

Aqui abrimos uma brecha para se discutir o direito de morrer com dignidade. Isso faz da peça algo universal, que pode tocar o público. Minha mãe não pode fazer essa escolha, mas mesmo consciente, em algum tipo de doença irreversível, ela não poderia, já que a legislação brasileira não permite”, afirma.

Localização
Teatro II do Centro Cultural Branco do Brasil (CCBB-BH) - Praça da Liberdade - Bairro Funcionários
Data
a
Solo da atriz Anna Campos, com direção e dramaturgia de Antonio Hildebrando, a nova montagem do Grupo Oriundo de Teatro traz a história real de duas mulheres: mãe e filha, unidas e separadas pelo estado vegetativo de uma delas e que nos sonhos e delírios voltam a se comunicar.
Entrada
Pago