Eventos /  Exposição la la-ticket green  /  Educação

6ª Edição Projeto Diálogos: Artista e Curador(a) - Centro Cultural UMG

Descrição

O Centro Cultural UFMG disponibiliza nesta sexta-feira, dia 19 de novembro de 2021, a sexta edição do projeto Diálogos: Artista e Curador(a), que contempla o pintor Celso Renato, em virtude de seu centenário.

exposição virtual tem a curadoria da artista e professora Claudia Renault e de sua assistente Bruna Mibielli. As coisas sem importância são bens de poesia – por Claudia Renault Para comemorar os 100 anos de Celso Renato (1919 - 1992), nada melhor que uma exposição individual desse grande artista que é considerado um dos mais singulares em diálogo com a tradição construtivista mineira.

três fases do seu trabalho, procuro enfatizar um caminho no qual fica evidente que na arte as coisas não acontecem por acaso.

primeiros desenhos já deixam entrever a sua liberdade de criação, de quem sempre viveu em um ambiente de arte e poesia. Esses grafismos revelam o desejo de registrar algo premente que já não pode esperar. Daí para a pintura foi um pulo. Celso aparece nos anos 60, no cenário das artes de Belo Horizonte, já como um homem maduro, com uma pintura expressionista, de traços fortes e largos.

A ideia é de um sujeito à procura de si, da sua alma, na maneira mais íntima de se expressar. É nesse momento que as coisas do mundo começam a conversar com ele. Celso parece escutar o silêncio de outros materiais que não a tela. Nessa hora, ele revela a sacralidade das coisas mais rudes.

É com um gesto mínimo, certeiro, de quem lança uma seta, que Celso Renato inicia suas intervenções nas madeiras – restos de materiais da construção civil. Uma vez que o material utilizado já carrega em si texturas, falhas, pregos, Celso inclui esses elementos e cria uma relação muito especial entre sua proposta geométrica e a organicidade do suporte.

É nesses tapumes que o artista enfatiza as formas e revela a sacralidade e a verdadeira alma das coisas. Nessa hora, lembro-me de Manoel de Barros ao dizer que “as coisas sem importância são bens de poesia”.

Renato me ensinou isso antes de Manoel. Ele retira do refugo a madeira e trava com ela um diálogo. Nesse diálogo amoroso com a matéria, dá vida ao que já estava perdido. É com as suas interferências sobre a madeira que Celso marca presença nas artes plásticas do Brasil e do mundo.

Estabelece uma conversa com deuses e ancestrais. Formas e cores puras que nos remetem a rituais, conversas veladas com povos que fazem arte como verdade, como religião, como necessidade do registro da existência. É dessa maneira que esse “artista dos artistas” marca a sua passagem pela terra, sem pressa, sem alarde.

obra solitária de Celso Renato de Lima é um exemplo de infinitude, de secretos e estranhos caminhos abertos apenas a seus apelos mais íntimos.

Localização
online
Video

 

Data
a
Centro Cultural UFMG realiza exposição virtual em homenagem ao centenário do artista Celso Renato
Entrada
Gratuito