Peça de teatro no Palácio das Artes
Foto: Click Estúdio Profissional/Acervo Belotur

Arte e Cultura

Belo Horizonte é a cidade em que a música do Clube da Esquina e do Uakti encontrou a dança contemporânea dos Grupos Corpo e Primeiro Ato. Em que os Grupos Galpão, Luna Lunera e Giramundo e as bandas Sepultura, Skank, Pato Fu e Jota Quest nasceram. Em que o Carnaval e a Parada do Orgulho LGBT cresceram e se tornaram referências. 

Em que a Hilda Furacão da obra de Roberto Drummond e a poesia de Rômulo Paes dividem, hoje, espaço com as manifestações do rap, do skate e do hip hop. Em que jovens artistas se inspiram em obras de Alberto da Veiga Guignard, Yara Tupinambá, Inimá de Paula e nos coletivos de grafite. Em que violas e violinos da Filarmônica e da Sinfônica conversam com o tambor mineiro de Tizumba. Em que o pioneirismo de Humberto Mauro inspira as novas gerações de vanguarda cinematográfica, com nomes como Cao Guimarães e Marília Rocha. 

Grupo de Congado em Belo Horizonte
Foto: Ricardo Laf / Acervo PBH

Sede consolidada de festivais internacionais de teatro, dança, circo, cinema, música, literatura, quadrinhos, design e artes plásticas, dentre outras manifestações, a cidade vem abrigando iniciativas inovadoras, como a primeira galeria urbana com esse perfil no mundo. Praças e edificações icônicas também acompanham e respiram a nova vida cultural da cidade por meio da ocupação realizada pelos diversos coletivos e da ressignificação de seus usos, a exemplo de diversos museus e galerias instalados em prédios de arquitetura riquíssima no Circuito Liberdade, maior conjunto integrado de cultura do Brasil.

A cidade oferece ainda casas e espaços preparados para apresentações artísticas de todos os estilos e portes. Erudito e popular, inovador e tradicional, nacional e internacional, antigo e novo, periferia e centro, urbano e rural são aspectos transpassados pela convivência entre a arte belo-horizontina, brasileira e do mundo. 

A pesquisa “Cultura nas Capitais”, realizada em 2017 e que entrevistou 10.630 pessoas nas 12 capitais mais populosas do Brasil, apontou Belo Horizonte como a cidade em que há maior interesse por cultura. A capital mineira liderou o levantamento no comparecimento a shows, peças de teatro, frequência a museus e concertos. Aqui, aquele dedinho de prosa tão característico da hospitalidade mineira tem um toque de cor, criatividade, som e ritmo especiais. 

Inhotim
O Instituto Inhotim é a sede de um dos mais relevantes acervos de arte contemporânea do mundo e considerado o maior centro de arte ao ar livre da América Latina. Localizado em Brumadinho, a apenas 60 km de Belo Horizonte, sua coleção botânica reúne espécies raras e de todos os continentes. Saiba mais sobre essa atração imperdível na seção “Perto de BH

Obra do artista Tunga no Instituto Inhotim
Foto: Pedro Vilela / Acervo MTur